burning desert

“É hora de agir – sem desculpas”

Christian Bruch, CEO da Siemens Energy, fala o que precisa acontecer na COP27

“Juntos para Implementação. Justa e ambiciosa” – este é o lema da COP 27. Em Sharm El-Sheik, representantes de mais de 200 países discutem atualmente medidas concretas para moldar com sucesso a transição energética. Precisamos de nada menos do que um esforço global imediato, avassalador e coordenado para evitar os piores impactos das mudanças climáticas – em todas as regiões do mundo e em todos os setores. Cinco ações são essenciais.

Por Christian Bruch

Esta semana, um ano depois de Glasgow, o mundo se reúne para outra cúpula climática em Sharm El-Sheikh, no Egito. E a situação não poderia ser mais urgente. Infelizmente, o mundo está muito longe da década de implementação proclamada na Escócia – pelo contrário, 2021 terminou com as maiores emissões de gases do efeito estufa (GEE) já medidas em todo o mundo. A demanda global de energia também está crescendo exponencialmente. Além disso, os mercados e as políticas de energia mudaram devido à invasão russa da Ucrânia, não apenas por enquanto, mas nas próximas décadas.

 

Resumindo: Juntos pela Implementação. Justa e Ambiciosa – o lema da conferência COP27 deste ano em Sharm el-Sheikh não poderia ser mais oportuno e preciso porque a ação necessária é mais urgente do que nunca.

Mas a COP27 precisa entregar muito mais do que apenas palavras, porque o tempo está se esgotando.

Temos menos de uma década para deter os efeitos irreversíveis em nosso planeta. Precisamos agir agora para alcançar mudanças rápidas. E a ação tomada precisa beneficiar a todos na sociedade. O recente relatório do IPCC deixou bem claro: sem mudanças significativas, o aquecimento global aumentará para 3,2°C. Precisamos reduzir as emissões em 45% até 2030, em comparação com os níveis de 2019, para limitar o aquecimento a 1,5°C.

 

A boa notícia, como observa o recém-lançado World Energy Outlook, é que algo está se movendo. Governos de todo o mundo estão agindo – tomand medidas de longo prazo para proteger os consumidores dos efeitos da crise. Alguns estão tentando aumentar ou diversificar os suprimentos de energia, e muitos estão tentando acelerar a mudança estrutural. Entre as atividades mais notáveis estão o Inflation Reduction Act nos Estados Unidos, o programa Fit for 55 e REPowerEU na UE, o programa Green Transformation (GX) do Japão, a meta da Coreia do Sul de aumentar a participação de energia nuclear e renováveis em sua matriz energética, e metas ambiciosas de energia limpa na China e na Índia. No geral, espera-se que o investimento global em energia limpa ultrapasse US$ 2 trilhões até 2030. Isso representa um aumento de mais de 50% em comparação com hoje. Com certeza é a direção certa. Mas não é suficiente.

 

Precisamos de nada menos do que um esforço global imediato, avassalador e coordenado para evitar os piores impactos das mudanças climáticas – em todas as regiões do mundo e em todos os setores. Precisamos equilibrar o triângulo energético de acessibilidade, confiabilidade e segurança. Cada país tem diferentes desafios e posições-alvo, por isso precisa de outras respostas para impulsionar a transição energética. Não existe uma solução única para todos. No entanto, há cinco pontos que podemos considerar como elementos unificadores.

Abordagem à transição energética – 5 pontos de consistência

1.     Acelerar as energias renováveis: Para que a transição energética seja bem-sucedida, o uso de energias renováveis deve ser massivamente aumentado em todo o mundo. Até 2050, a participação das energias renováveis nos Estados Unidos precisa, no mínimo, triplicar. A região da Ásia-Pacífico terá que aumentar sua participação em quatro a 10 vezes em comparação com 2020 – em comparação, na Europa, assumimos um aumento de três a quatro vezes. Tais ganhos só podem ser alcançados se as condições estruturais forem adequadas, as barreiras regulatórias forem reduzidas e, em particular, o acesso a enormes quantidades de materiais for garantido. Afinal, sabemos que a intensidade do material por kW instalado é significativamente maior em comparação com as tecnologias convencionais.

2.     Melhorar a eficiência energética: Infelizmente, o aumento contínuo da demanda de energia devido ao crescimento econômico e ao aumento da população contraria todos os esforços atuais para reduzir as emissões. Portanto, a primeira e mais importante tarefa é conservar energia sempre que possível. Esse esforço também exigirá maior eletrificação dos processos industriais e de transporte. A eletrificação do setor de transporte de hoje praticamente dobraria a produção global de eletricidade.

3.     Fortalecer a rede elétrica: A crescente participação de energia renovável e a crescente eletrificação exigem redes mais robustas – redes que não apenas atenderão às necessidades de um país inteiro, mas também ligarão a oferta e a demanda dentro de uma região ou entre regiões. A Alemanha precisará adicionar até 4.700 milhas de linhas de transmissão e os Estados Unidos até 600.000 milhas delas. Para os países em desenvolvimento, no entanto, esse é um desafio ainda maior. Na África, muitos sistemas de energia ainda são conhecidos por suas frequentes interrupções e instabilidades na rede – quase 25% das famílias na África que têm acesso à eletricidade, têm energia disponível apenas metade do tempo, ocasionalmente ou nunca.

4.     Usar a infraestrutura existente como uma ponte: Em meio a todos os investimentos maciços que todos precisamos fazer, não podemos e não devemos ignorar um fato: a infraestrutura existente pode e deve ser usada – mesmo que seja baseada em tecnologias convencionais – para preencher a lacuna. Também teremos que fazer uma transição gradual desta tecnologia para uma menor intensidade de CO2.

5.     Conhecer a cadeia de suprimentos e os minerais necessários: Mais materiais e minerais são necessários para a transição energética. Um carro elétrico típico requer seis vezes mais insumos minerais de um veículo convencional, e uma usina eólica terrestre requer nove vezes mais recursos minerais do que uma usina a gás. Desde 2010, a quantidade média de minerais necessários para uma nova unidade de capacidade de geração de energia aumentou 50%, à medida que a participação das energias renováveis em novos investimentos aumentou.

A transição energética é complexa – mas essencial

Para tornar a transição energética um sucesso, gostaria de destacar três pontos adicionais: Primeiro, na medida do possível, precisamos de um plano transparente e voltado para o futuro para todas as regiões.

Em segundo lugar, precisamos equilibrar as cadeias de suprimentos e fábricas globais e locais.

E terceiro, um grande financiamento é necessário globalmente para cumprir os compromissos do Acordo Climático de Paris.

 

Afinal, a mudança climática é uma questão global, as temperaturas não vão parar de subir em Berlim ou Washington se as emissões não caírem em Nova Délhi. Mais de dois terços das emissões globais de CO2 vêm de países emergentes e em desenvolvimento. O truque será promover de forma sustentável o crescimento econômico nesses países, implantando nossas tecnologias, fornecendo apoio financeiro e promovendo a força de trabalho local.

O trabalho de combater as mudanças climáticas e avançar sistematicamente na transição energética é uma tarefa conjunta que requer novos pensamentos e ações.

Precisamos de uma nova era de parcerias público-privadas. É por isso que a IRENA e a Siemens Energy iniciaram a Alliance for Industry Descarbonization para atingir as metas de net zero específicas do país, fomentar a descarbonização das cadeias de valor industriais e melhorar a compreensão das soluções de base renovável e sua adoção pela indústria. A Aliança também trabalhará para fortalecer o diálogo e coordenar a ação das partes interessadas industriais em todos os setores público e privado. Acreditamos em uma coisa em particular: uma plataforma multissetorial que promova tais discussões e a colaboração pode acelerar a ação global. Em 11 de novembro, os representantes de 22 empresas se reunirão em Sharm-El-Sheikh para discutir e se comprometer com uma estratégia clara de execução e implementação. Precisamos de uma ação clara.

 

Gostaria de encerrar com uma nota positiva: a transição energética é o maior programa de investimento desde os primórdios da industrialização. Se governos, empresas e sociedade trabalharem juntos, a transição energética é uma grande oportunidade. Não há desculpa para esperar mais. Estou ansioso por alguns dias de alto impacto no Egito.

 

Sobre o autor: Christian Bruch é presidente e CEO da Siemens Energy AG, uma das principais empresas de tecnologia de energia do mundo. A empresa trabalha com seus clientes e parceiros em sistemas de energia para o futuro, apoiando assim a transição para um mundo mais sustentável.

Novembro de 2022

Créditos combinados de imagem e vídeo: Siemens Energy; iStock Photo