Por que a digitalização é importante para petróleo e gás

Daqui a vinte anos, o setor de petróleo e gás será bem diferente de hoje. Há muita coisa acontecendo agora dentro do setor e muita coisa além do horizonte.

 

por Jörgen Larsson, Sales Director, New Equipment Solutions, Middle East, GP Oil & Gas, Siemens

 

A principal responsável por essa mudança é a digitalização - da ‘Indústria 4.0’ para ‘Petróleo & Gás 4.0’. Obviamente, as mudanças também estão surgindo através de fontes geográficas e técnicas (pense em xisto não convencional). O lado da demanda da equação também está evoluindo, com o maior crescimento da demanda vindo da China, Índia e outras economias emergentes, enquanto a extensão em que usaremos fontes de energia renováveis daqui a dez ou 20 anos continua sendo uma grande questão.

 

Até as empresas de petróleo estão começando a ficar diferentes. A Companhia Nacional de Petróleo de Abu Dhabi dos Emirados Árabes Unidos (ADNOC) é um exemplo perfeito. Como anunciado no outono passado por seu CEO, Dr. Sultan Ahmed Al Jaber, a empresa está se transformando de uma empresa nacional de petróleo (NOC) tradicional em uma empresa internacional de energia dinâmica e inovadora, capaz de criar novas fontes de receita e maximizar o lucro na era Petróleo e Gás 4.0.

 

Eles também estão colocando números nessa visão: aumentando a capacidade de produção de petróleo, de cerca de 3 milhões de barris por dia (mbpd) hoje para 4 mbpd até o fim de 2020 e 5 mbpd até 2030, e talvez ainda mais dramaticamente, tornando os Emirados Árabes Unidos um exportador líquido de gás natural.

 

Felizmente, a ADNOC não apenas tem visão, liderança dinâmica, colaboradores qualificados e infraestrutura nacional capacitadora, mas também a oportunidade de alavancar a digitalização, pois essa tecnologia continua a expandir sua capacidade de obter benefícios significativos para o setor.

Foco em custos, desempenho

O aumento da digitalização em nossa indústria foi ajudado pela dramática queda nos preços do petróleo que começou em 2014 e parece ter se estabilizado a um preço “mais baixo por mais tempo”. Isso forçou os operadores a olharem atentamente para os custos e o desempenho e se sintonizarem com as oportunidades de reduzir custos operacionais e de capital, aumentar a eficiência e aumentar a produção.

 

A indústria está vendo cada vez mais a digitalização como fundamental para um caminho mais sustentável pela frente. É particularmente atraente para empresas como a ADNOC que buscam obter valor agregado de operações que abrangem a upstream, midstream e downstream, porque o digital pode ser aplicado em toda a cadeia de valor de energia.

 

Usando tecnologias como o gêmeo digital; plataformas operacionais da Internet das Coisas (IoT) abertas e baseadas na nuvem e análises de big data incorporadas a softwares poderosos, o setor de petróleo e gás está começando a obter melhorias incrementais e de mudança de etapa em suas operações. 

 

Para ter uma ideia da magnitude, considere os seguintes resultados que alcançamos para nossos clientes através do conceito Siemens Topside 4.0: através da integração digital de equipamentos topside, como os principais equipamentos rotativos, elétricos, de automação e controle, alcançamos custos de capital 27% mais baixos e custos operacionais 18% mais baixos, além de reduzir o tempo de ciclo de 3 a 9 meses, enquanto para uma instalação de GNL (gás natural liquefeito), nossas soluções resultaram em uma eficiência 50% maior que as outras opções. Essas grandes realizações só podem ser alcançadas quando se inicia uma jornada digital durante um estágio inicial do desenvolvimento do projeto.

Um gêmeo poderoso

O gêmeo digital, que é uma representação virtual de um produto, processo de produção ou desempenho, pode ajudar a gerenciar custos e melhorar as operações dos operadores - desde o conceito e o estágio FEED, ao design e construção, às operações e manutenção. O gêmeo digital em uma configuração de petróleo e gás permite uma fase de projeto mais eficiente, essencial para o uso mais eficiente de equipamentos com uso intensivo de capital.

 

Durante a construção, ele permite testes, treinamento e comissionamento virtuais, o que significa que a geração de receita pode começar mais cedo. Durante as operações, o gêmeo digital permite monitoramento de desempenho remoto e diagnóstico preditivo. Isso não significa apenas ajustes em tempo real para melhorar as operações, mas também a capacidade de prever requisitos de manutenção, aumentando assim o tempo de atividade.

Aplicativos para petróleo e gás

Outra ferramenta cada vez mais usada pela indústria de petróleo e gás são as plataformas operacionais de IoT abertas, como o MindSphere da Siemens. Essas plataformas permitem conectividade abrangente em sistemas e equipamentos corporativos e de dispositivos, aplicações do setor e análises avançadas.

 

O MindSphere é a plataforma na qual os gêmeos digitais podem operar e permite a criação de outras aplicações industriais poderosas da Internet das Coisas. Os recursos começam com a conexão e o monitoramento de sistemas e equipamentos que permitem aos operadores obter dados importantes dos componentes e sistemas.

 

Com base nisso, as aplicações - incluindo aquelas que usam inteligência artificial e blockchain - podem analisar os dados coletados para entender melhor como esses sistemas estão operando e identificar novas maneiras de melhorar os processos. Por fim, essas informações e insights podem levar ao desenvolvimento de aplicações personalizadas que impulsionam ainda mais as operações e liberam o potencial de transformar completamente a operação.

Protegendo a OT

Ao mesmo tempo, a cibersegurança deve ser incorporada a esses sistemas, dados os riscos criados pela conexão de sistemas e ativos de tecnologia operacional (TA) crítica às redes, estejam ou não conectadas à Internet. Esse é especialmente o caso, uma vez que a maioria significativa das empresas de petróleo e gás está lutando para enfrentar esses riscos cibernéticos em toda a cadeia de valor de petróleo e gás.

 

Isso requer a avaliação de riscos e, em seguida, a proteção de sua infraestrutura e do ambiente mais amplo de OT. Ela se estende do campo e dos oleodutos até os centros de controle e instalações de processamento, para petroquímicos downstream, refino e além.

 

Não importa quão diferente o setor possa parecer daqui a uma ou duas décadas, estou confiante de que os operadores manterão seu foco em maximizar a produção, minimizar custos e otimizar as operações. À medida que a digitalização continua evoluindo e trazendo cada vez mais ferramentas para o jogo, certamente estará desempenhando um papel central em atingir esses objetivos.

 

Este artigo foi publicado originalmente em Pipeline Oil & Gas News