Young woman Mya dances in the street for the joy of her ally

Deixe suas ações falarem mais alto do que palavras! Torne-se um aliado!

Diariamente pessoas são tratadas de forma menos favorável e são discriminadas devido à sua origem étnica, gênero, religião ou ideologia, deficiência, idade ou identidade sexual. Isso tem que mudar.

Por Sarah Hashish

Já se passaram mais de 75 anos desde que as Nações Unidas adotaram a "Declaração Universal dos Direitos Humanos", que foi elaborada por uma comissão presidida por Eleanor Roosevelt. Um de seus maiores sucessos é que os princípios do documento, como o direito de falar livremente, o direito à educação, à saúde etc., é amplamente reconhecido em todo o mundo e tem ajudado inúmeras pessoas a ganhar maior liberdade e segurança. No entanto, há também uma verdade amarga: Embora quase nenhum direito humano seja invocado com tanta frequência quanto a proibição à discriminação – e quase todas as convenções incluam uma cláusula de antidiscriminação – as pessoas ainda são discriminadas todos os dias. E você não tem que olhar muito longe para encontrar tal injustiça; a discriminação ocorre exatamente onde estamos. Está em toda parte em nossas vidas diárias e em nosso ambiente imediato. Ocorre ainda onde a abertura e a tolerância deveriam ser os elementos definidores da crença e da filosofia: nas instituições públicas e nas empresas, locais onde a diversidade é considerada bem-vinda, e as diferenças são abraçadas como enriquecimento. E muitas vezes ocorre de estarmos diretamente envolvidos em comportamentos discriminatórios sem perceber. 

A discriminação ocorre quando pessoas ou grupos não são tratados igualmente ou são assediados ou depreciados por causa da cor de sua pele; sua religião ou ideologia; seu gênero; seu status social ou adesão a um grupo social; sua orientação sexual ou identidade de gênero; suas habilidades físicas, mentais ou emocionais; ou também sua idade.  

O DESAFIO DIÁRIO DE NÃO SE ENCAIXAR EM UM ESTEREÓTIPO.

As sociedades continuam a ter ideias distintas sobre o que é "normal", juntamente com crenças profundamente mantidas sobre a existência de um "centro" dentro do qual existe uma maioria. Com base nisso, as noções de "normalidade" tornam-se a referência para todas as coisas, e pessoas ou grupos que se desviam desse padrão são marginalizados. Essa marginalização pode ocorrer geograficamente, economicamente, socialmente ou culturalmente, ou de várias maneiras diferentes ao mesmo tempo.

A marginalização é geralmente incorporada em uma estrutura de poder e acompanhada de discriminação: Quanto mais próximo um grupo está das margens da sociedade, menos poder ele tem e mais ele está em desvantagem em relação ao "centro social". A marginalização envolve a perda de recursos, bem como oportunidades de ganho de influência e status. Pode afetar a saúde de uma pessoa, física e mentalmente. Grupos marginalizados muitas vezes representam uma minoria dentro da população, mas a marginalização não afeta apenas as minorias. Por exemplo, a feminilidade é marginalizada em uma sociedade patriarcal, embora as mulheres não sejam uma minoria.

A discriminação conhece muitas formas 

O racismo e a discriminação vêm de uma ampla variedade de jeitos e formas, que vão desde a discriminação interpessoal, que ocorre entre as pessoas, até a discriminação internalizada, que se manifesta em nossas próprias crenças, à discriminação estrutural, que muitas vezes molda empresas e instituições, à discriminação interseccional, na qual as pessoas enfrentam a discriminação de múltiplas maneiras e em uma variedade de contextos diferentes.

 

A discriminação geralmente pode ser rastreada a determinadas características, mas o seguinte se aplica em geral: Não importa se o atributo é realmente possuído pela parte sendo discriminada, como nos casos em que uma determinada origem étnica é assumida. Basta quando outros acreditam que o atributo se aplica.

 

1. Origem étnica ou razões relacionadas ao racismo

2. Gênero

3. Religião ou ideologia

4. Deficiência

5. Idade

6. Identidade sexual

Discriminação aberta e oculta

Para pessoas que nunca ou apenas raramente foram expostas à discriminação, é difícil compreender o quão frustrantes, dolorosas e destrutivas essas experiências podem ser, física e mentalmente, e que efeitos duradouros elas podem ter. Este é especialmente o caso quando a discriminação faz parte da vida cotidiana e nunca para. Além da discriminação aberta, há também formas de discriminação oculta, às vezes referidas como microagressões, e há muito tempo encontram seu caminho na vida de muitas pessoas como racismo cotidiano.

"Ninguém quer sentir que não foi compreendido. Isso faz parte do ser humano. Queremos nos sentir compreendidos. Queremos ser amados. Queremos sentir que pertencemos a algum lugar."
Anna Mouchref, aliada de seu irmão Abe

Microagressões – o impacto duradouro de apenas algumas palavras

Como descrito pelo autor, ativista e professor de psicologia do John Jay College, Kevin Nadal, microagressões são comuns, sutis, intencionais – e muitas vezes não intencionais – interações ou comportamentos que transmitem uma espécie de preconceito contra grupos marginalizados. A diferença entre microagressões e discriminação manifesta (macroagressões) é que as pessoas que cometem microagressões podem nem estar cientes do que estão fazendo. Um exemplo pode ser quando as pessoas estendem a mão para tocar o cabelo dos negros sem permissão ou declarações como "Você é muito diferente das outras pessoas negras que conheci até agora." O mesmo se aplica a formulações que são uma forma de “alterização” (othering), como "De onde você é?" ou "Você fala bem a nossa língua!" Pessoas que fazem tais declarações podem ter boas intenções, mas comunicação como esta sempre envia a mesma mensagem: Nós somos a norma e você é diferente! Microagressões são como pequenas picadas no mesmo lugar várias vezes. Algumas podem ser toleráveis, mas se ocorrerem regularmente e de novo e de novo, feridas dolorosas podem aparecer, que podem eventualmente se tornar traumas reais.

O QUE REALMENTE IMPORTA. E POR QUÊ.

Infelizmente, atitudes e estruturas discriminatórias não são fenômenos marginais, mas sim generalizados. Eles têm uma longa tradição e se refletem em sistemas de crenças, preconceitos, noções de normalidade e nossa língua. Somos todos seres humanos propensos a cometer erros, e capazes de cometer microagressões. E isso não significa necessariamente que você é uma pessoa ruim se você cometer uma microagressão. Em vez disso, você precisa se concentrar em se tornar mais consciente de seus vieses e como você está afetando os outros. 

"Ser um aliado é um passo acima da amizade. Porque se trata de como você está ajudando as pessoas de forma subconsciente e consciente.”
John Holden, perdeu as pernas quando tinha 18 anos

Conduta discriminatória no local de trabalho

Quando se trata de conduta discriminatória no local de trabalho, a treinadora intercultural, autora e coach Ellen Wagner aconselha as pessoas a "falarem" e chamarem a atenção para o fato de que a discriminação acabou de ocorrer. Para isso, não é necessário entrar em um debate sobre o tema. Por exemplo, é suficiente dizer: "Como assim? Eu não entendi a piada! Se você não tem certeza se uma pessoa precisa de ajuda, você também pode abordá-la e perguntar – e também oferecer apoio, se necessário, ao se voluntariar para ser testemunha do que aconteceu. Uma alternativa seria, posteriormente, procurar a pessoa que se envolveu em conduta discriminatória e dizer: "Notei algo em uma conversa recente. Posso te dar um feedback sobre o que ouvi? Do meu ponto de vista, tal e tal aconteceu.” Além disso, para situações futuras em que ocorra discriminação, você também pode ensaiar uma ou duas frases que você pode aprender a dizer reflexivamente. Por exemplo: "O que você acabou de dizer não é legal!"

EU, VOCÊ, ELE, ELA, ALIADO?

O mundo precisa de pessoas que não olhem para o outro lado quando veem ou ouvem racismo e discriminação. Todos nós podemos fazer muito em nossas vidas cotidianas e no trabalho para tornar nossa sociedade mais solidária, aberta e tolerante. No entanto, grupos marginalizados recebem o apoio mais forte e sustentado através de pessoas que são aliadas.

 

Um aliado é um ajudante, colega, parceiro, membro da família ou um amigo. Nesse contexto, um aliado é alguém que tem certos privilégios estruturais e une forças com pessoas que não têm esses privilégios. Por exemplo, os homens podem se tornar aliados das mulheres no movimento feminista, as pessoas cisgêneros podem agir em aliança com pessoas trans*, pessoas sem deficiência podem ajudar o movimento de deficiência lutando contra o ableismo, e os brancos podem fazer uma causa comum com a comunidade BIPoC na luta contra o racismo. É sempre uma questão de tomar medidas auto-reflexivas contra a discriminação de sua respectiva posição de privilégio, ou seja, com a consciência de seus próprios privilégios. Um aliado assume a responsabilidade de superar essa discriminação. 

Quem pode ser um aliado?

Em princípio, qualquer um que queira e que tenha prontidão suficiente para fazê-lo pode ser um aliado. O importante a ser lembrado é que se trata de fornecer apoio verdadeiro, ativo e contínuo para grupos que sofrem de discriminação; não é suficiente apenas falar sobre como a opressão é errada. 

Em comemoração ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, pedimos aos nossos funcionários que compartilhassem suas histórias de aliados. Confira abaixo.

O que um aliado faz

Uma parte central de ser um aliado é a disposição incondicional de agir com e para os outros. Isso inclui educar-se regularmente sobre várias identidades e experiências de grupos marginalizados. Como aliado, você deve estar sempre ciente de seus próprios preconceitos e refletir sobre o que você percebe, mesmo que seja desagradável. Com base nisso, você pode tomar medidas contra visões subconscientes e discriminatórias. Também é importante ouvir, tentar entender e não colocar em dúvida as declarações e narrativas dos indivíduos afetados. Como aliado, o engajamento ativo contra a discriminação e a desigualdade são essenciais. Isso significa não apenas se opor quando alguém faz comentários racistas ou homofóbicos, mas também tomar as coisas em suas próprias mãos sem impulso externo – ou seja, demonstrar vontade real de criar mudanças pessoais, sociais e institucionais. 

NÓS TEMOS UM SONHO!

Não somos todos iguais. Reconhecer que a cor da pele, o gênero e a orientação sexual desempenham um papel na vida – especialmente para aqueles que se desviam da norma, ou seja, o que se presume ser normal – é fundamentalmente necessário para combater ativamente o racismo e a discriminação. A luta contra a injustiça, a exclusão e a opressão não pode e não deve ser travada por ninguém sozinho, não importa onde estejam.

 

Na Siemens Energy, acreditamos que criar uma sociedade em que vale a pena viver envolve demonstrar solidariedade e criar um ambiente aqui e agora que não só deixa espaço para diversas identidades e estilos de vida, mas também os vê como um enriquecimento para nossas vidas. Queremos um ambiente que ofereça a todas as pessoas uma vida sem medo, que se caracterize pela igualdade de oportunidades, que peça o mesmo de todos nós, e que consolide sua energia nessa base. Se todos trabalharmos juntos em direção a esse objetivo, nada menos do que grandes coisas podem vir dele – para nós, para o futuro, para todos nós. Você está conosco?

 

Aja! Torne-se um aliado! Veja o que nossos funcionários, suas famílias e amigos têm a dizer sobre o importante papel que a aliança desempenhou em suas vidas.

03 de dezembro de 2021

 

 

 

Sarah Hashish é uma egípcia que mora na Alemanha desde 2008. Ela trabalha para a Siemens Energy e sempre teve uma paixão por trabalhar em assuntos relacionados a pessoas. Ela costuma compartilhar histórias, sentimentos, pensamentos e ideias em seu blog com a esperança de ajudar o mundo a se tornar um lugar melhor, um ser humano de cada vez.

 

 

 

Créditos combinados de imagem e vídeo: Siemens Energy